Site Feedback

Gramática

Olá pessoal,

Gostaria de iniciar um tópico para reunir dúvidas comuns para os estudantes da língua portuguesa já usando o novo acordo ortográfico, para tal conto com a contribuição de todos. De inicio coloco aqui algumas informações.

Modos contínuos ou progressivos dos verbos, as ações em andamento.

A língua portuguesa apresenta duas formas capazes de expressar uma ação em andamento, as quais aqui na comunidade são geralmente usadas para discernir entre dialetos brasileiros dos demais, porém não é bem assim.

O gerúndio é a forma clássica, nela a forma infinitiva do verbo é combinada à partícula “ndo”, assim “andar” passa a ser “andando”.

A outra forma de se expressar o gerúndio é o modo infinitivo gerundivo, neste caso a ação em andamento é expressa pela preposição ou partícula “A” seguida do infinitivo do verbo. Assim “andar” passa a ser “a andar”.

As duas formas são válidas na gramática da língua portuguesa, mas o gerúndio é mais comum no Brasil que nos demais países lusófonos. No entanto, isto não quer dizer que o gerúndio seja um brasileirismo, na verdade o infinitivo gerundivo foi reconhecido na gramática formal muito tempo depois do gerúndio, sendo relativamente recente. O Brasil só manteve uma postura um pouco mais conservadora neste caso.

Geralmente alterna-se entre as duas formas sem maiores problemas, porém há casos em que o infinitivo gerundivo pode contribuir para a ambiguidade, convém informar-se acerca deles.

A posição dos pronomes oblíquos átonos.

Essa é uma questão bastante comum aqui na comunidade. Primeiramente a expressão pronomes oblíquos átonos refere-se a pronomes monosilábicos que conectam o verbo ao objeto de sua ação (eles não funcionam sozinhos) e possuem pronuncia mais fraca, átona*. São eles: me, te, o/lhe, a/lhe, se, nos, os/lhes e as/lhes. Esses pronomes podem aparecer antes, no meio, ou depois do verbo, respectivamente próclise, mesóclise e ênclise. Observe ainda que as variações como a/lhe dependem do tipo de objeto requerido pelo verbo, neste caso direto/indireto . A gramática traz mais informações, mas de maneira geral a dúvida mais comum refere-se à próclise e a ênclise. É preciso lembrar que gramaticalmente é considerado erro caso uma ideia seja iniciada com um pronome oblíquo átono, ou seja, próclise não é gramaticalmente aceita no inicio de frases ou ideias ou ainda depois da vírgula de pausa. Assim formalmente deve-se escrever/expressar:

Dê-me um lápis.

Em fim conseguimos, fez-se justiça.


Por outro lado, a próclise se dá melhor com advérbios, assim:

Não me dê
um lápis, quero uma caneta.
Infelizmente não foi desta vez, não se fez justiça.
Ele já me fez um favor.
Eu sempre me pergunto quando usar "SS" , "S" ou "Ç" com som de /S/.

Há outros casos e regras para o uso, convém consultar uma boa gramática, em linhas gerais nos casos opcionais o brasileiros optam pela próclise enquanto portugueses a africanos pela ênclise, mas é claro que isso pode variar. Informalmente todas elas passam a mensagem, com exceção talvez da mesóclise que é erudita.
*Vale lembrar que o conceito de "átono" não se aplica ao Brasil, onde geralmente eles são pronunciados com a mesma entonação das demais palavras.


Share:

Comments

Hello,Alexandre
I think this is useful to learn portuguse grammar ,but it is difficult for me to read,cos my portuguse not that good,if it is write in English will be better,thank you.

I'll try Feng. 

Hum.. uma pena não? Como uma dicussão acredito que devemos comentar, simplesmente marcar algo como prejudicial em uma dicussão não faz sentido. Se há algo incorreto no texto, é melhor que seja posto em discussão, pois estamos aqui para nos ajudar. Isto não é uma competição, meu objetivo é retribuir àqueles que nos ajudam. É desencorajador tal atitude que se mostra covarde. Sem falar que desorienta aqueles que buscam aprender ou melhorar a língua.

Convido aqueles que não concordam com quaisquer de minhas afirmações a se pronunciarem respeitosamente, afinal ninguém é dono da verdade.

Acho que este artigo é extremamente interessante e útil. Obrigado pelo seu tempo e esforço. Como um estudante do idioma português, ajuda claro deste tipo é muito apreciada.

Pessoal, fiz uma correção no conteudo, notem que a variação em se usar A/LHE, por exemplo, não está relacionada com o fato de posição, mas sim com o tipo de objeto requerido pelo verbo. 

Add a comment