Site Feedback

A Onda

Numa noite, durante uma tempestade, havia uma tão grande onda que batia forte na praia, afogando tudo que estava no seu caminho, sobretudo os nadadores que se atreviam e se orgulhavam endurar as ondas temíveis e que enfim não conseguiram. Eles gritaram e precisavam socorros, porém parecia que só as ondas os ouvissem. É curioso se as ondas tenham orelhas assim como os seres humanos! Seria engraçado ver algum disso morando no mar - monstros que nunca se imaginavam nos contos de fada, que antes eu nem conhecia nunca!
Ninguém os acudiram. Então, aonde foram eles, os pobres nadadores? Parecia que ninguém soubesse, as ondas tampouco! O que sabem elas? Não têm cérebros. Se as ondas não os têm, é que elas são capazes de se preocupar dos que se afogaram, de tudo que sofreram na tempestade? Que insensíveis elas são!
É simplesmente uma destruição complexa que elas fizeram. Elas não poderão jamais retirar os afogados do seu fundo, porque elas não têm mãos! Caso se elas as tivessem, ainda não poderiam, porquanto elas são sem cérebros. Tratar-se-ia das ondas não saberem como fazer ou de não o fazerem bem que os afogados sempre se afundassem! Mais além, os que sofreram jamais vão ser condoídos porque as ondas não têm bocas nem línguas que eles entendem!
Parecia que as ondas se compadecessem e que sempre tivessem lágrimas. No entanto, quem sabe quando elas estão a fingir e quando aquelas "lágrimas" não são falsas? Seria boníssimo decerto se isso acontecesse, se elas se compadecessem! Mas decerto isso nunca acontecerá porque elas não têm olhos donde vertem lágrimas. Quão azuis como si mesmas seriam os olhos se elas os tivessem!
E, sim, o rosto! Mas não! O que podem elas fazer com isso? Mostrar um sorriso apesar da miséria, um mau olhar para quem padeceram e faleceram? Eu desgosto ver o rosto malvado das ondas!

Share:

 

0 comments

    Please enter between 0 and 2000 characters.

     

    Corrections

    A Onda

    Numa noite, durante uma tempestade, havia uma tão grande onda (onda tão grande) que batia forte na praia, afogando tudo que estava no seu caminho, sobretudo os nadadores que se atreviam e se orgulhavam endurar as (em durar nas) ondas temíveis e que enfim não conseguiram. Eles gritaram e precisavam socorros de socorro, porém parecia que só as ondas os ouvissem (ouviam). É curioso se as ondas tenham (tivessem) orelhas assim como os seres humanos! Seria engraçado ver algum disso (isso:) morando no mar - monstros que nunca se imaginavam nos contos de fada, que antes eu nem conhecia nunca!
    Ninguém os acudiram. Então, aonde foram eles, os pobres nadadores? Parecia que ninguém soubesse, as ondas tampouco! O que sabem elas? Não têm cérebros. Se as ondas não os têm, é que elas são capazes (incapazes) de se preocupar dos (com os) que se afogaram, de tudo que sofreram na tempestade? (.) Que insensíveis elas são!
    É simplesmente uma destruição complexa que elas fizeram. Elas não poderão jamais retirar os afogados do seu fundo, porque elas não têm mãos! Caso se elas as tivessem, ainda não poderiam, porquanto elas são sem cérebros. Tratar-se-ia das ondas não saberem como fazer ou de não o fazerem bem que os afogados sempre se afundassem! Mais além, os que sofreram jamais vão ser condoídos porque as ondas não têm bocas nem línguas que eles (elas) entendem!
    Parecia que as ondas se compadecessem (compadeceram) e que sempre tivessem (tiveram) lágrimas. No entanto, quem sabe quando elas estão a fingir e quando aquelas "lágrimas" não são falsas? Seria boníssimo decerto (de certo) se isso acontecesse, se elas se compadecessem! Mas decerto (de certo) isso nunca acontecerá porque elas não têm olhos donde vertem lágrimas. Quão azuis como si mesmas seriam os olhos se elas os tivessem!
    E, sim, o rosto! Mas não! O que podem elas fazer com isso? Mostrar um sorriso apesar da miséria, um mau olhar para quem padeceram e faleceram? Eu desgosto ver o rosto malvado das ondas!

    Write a correction

    Please enter between 25 and 8000 characters.

     

    More notebook entries written in Portuguese

    Show More